Guarani vai tentar reduzir dívidas


Com o dinheiro do leilão, clube irá à Justiça amanhã para procurar sanar parte dos débitos


29/11/2014 - 19h25 - Atualizado em 29/11/2014 - 19h25 | Carlos Rodrigues
carlos.rodrigues@rac.com.br



Foto: Cedoc/RAC
Horley Senna disse que as diretorias anteriores foram amadoras
O presidente Horley Senna segue confiante na parceria com a Magnum
A crise política e o ambiente de tensão causados pela concretização do leilão do Estádio Brinco de Ouro forçaram o presidente Horley Senna a convocar, em caráter de urgência, uma reunião com as principais lideranças do Guarani neste sábado (29). O encontro, que durou mais de três horas e teve momentos polêmicos, não foi marcado por muitas definições. O certo é que o Conselho de Administração decidiu ir até a Justiça do Trabalho amanhã para tentar sanar o maior número de dívidas possível com os R$ 44.450.000,00 desembolsados pela Magnum no leilão.

Segundo o mandatário bugrino, o objetivo foi antecipar algumas informações a conselheiros e associados. “Desde a nossa aclamação, sempre dissemos que vamos trabalhar com transparência e as decisões de relevância serão levadas ao conhecimento de todos. Dessa vez, não foi diferente”, explica Senna. “Foi uma reunião para antecipar o que vamos apresentar ao Conselho na terça-feira. Acho que apenas cinco pessoas foram contra e eu respeito. Mas é bom para fortalecer nossa decisão e esclarecer a todos”, completa o mandatário.
 
Senna garantiu que o clube irá tomar providências quanto às dívidas existentes. Conforme o Correio Popular publicou, o valor do leilão não cobre sequer os débitos trabalhistas. “Quero dizer que, mesmo com o leilão, o Guarani não vai parar de pagar suas contas. É salutar participar de uma reunião com a Justiça do Trabalho e saber quantos processos podemos liquidar com o valor antecipado pela Magnum”, diz o presidente. “A ideia é ver o posicionamento da Justiça e, de repente, pedir audiências conciliatórias para ver o que conseguimos sanar em cima do valor que estará aportado.”


Sem embargo
Um possível pedido de embargo à arrematação, embora ainda possível, é praticamente descartado pelo presidente por parte do Guarani, até para evitar um novo atrito com a Magnum. “Num primeiro momento, propor o embargo seria desconfortável com o investidor. É a mesma coisa de eu precisar de dinheiro, pedir um cheque a um amigo e depois sustar esse cheque. Estou numa situação entre a cruz e a espada, mas vamos tomar a melhor decisão para o Guarani.”
 
 
A confiança é de que, a partir de agora, a parceria entre Guarani e Magnum caminhe sem maiores percalços. “A gente sempre trabalhou pela harmonia e é isso o que o Roberto Graziano (presidente da Magnum) também quer. Nosso desejo é tranquilidade para que o Guarani tenha um ótimo ano em 2015 e a Magnum siga com o projeto para aprovação nos órgãos públicos”, conclui Senna.




cadastre-se e continue lendo
Este é o seu 5º acesso ao site do Correio Popular
neste mês. Para dar continuidade a suas leituras,
cadastre-se gratuitamente agora. É fácil e rápido,
basta clicar em "quero me cadastrar". Ou se preferir,
faça a sua assinatura e garanta seu acesso sem
restrições.

cadastre-se e continue lendo
cadastre-se e continue lendo
cadastre-se e continue lendo
Saiba mais.
Cadastre-se e continue tendo acesso ao melhor
e mais completo contéudo da RMC.
* NOME:
* SOBRENOME:
* E-MAIL:
TELEFONE:
CIDADE:
* SENHA:
* REPETIR SENHA:

* Campos obrigatórios


É importante que os dados a seguir sejam verdadeiros, pois antes de continuar a leitura
você deverá confirmar o cadastro através de um link que enviaremos no endereço de e-mail
preenchido. Sem essa confirmação você não conseguirá seguir a leitura. Caso tenha conta
no facebook basta clicar "cadastre-se com o facebook"

Quero receber notícias e comunicações do Correio Popular