Murilo critíca a CBV após novas denúncias


jogador cobrou explicações da entidade com relação ao relatório final da Controladoria Geral da União


11/12/2014 - 15h31 - Atualizado em 11/12/2014 - 15h31 | Agência Estado
faleconosco@rac.com.br



Foto: Cedoc/ RAC
Murilo usou as redes sociais para criticar a CBV após novas denúncias de corrupção na instituição
Murilo usou as redes sociais para criticar a CBV após novas denúncias de corrupção na instituição
Um dos mais experientes jogadores da seleção brasileira de vôlei o ponteiro Murilo voltou a fazer duras críticas à gestão da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) nesta quinta-feira. O jogador cobrou explicações da entidade com relação ao relatório final da Controladoria Geral da União (CGU) sobre as denúncias feitas pelo canal ESPN Brasil ao longo do ano.

"O pior é fingirem que esta tudo bem, ou que nada aconteceu", escreveu Murilo, no Twitter, ao compartilhar o link da notícia publicada no site da ESPN, com detalhes do relatório da CGU. "Por favor não me venham com nota oficial pra comentar sobre a matéria, é hora de dar as caras e se explicar. É de entristecer qualquer um que faz esporte no Brasil!", postou.

A reportagem desta quinta-feira da ESPN cita que o relatório da CGU aponta "contratação de empresas de consultoria sem que se consiga verificar a efetiva contraprestação do serviço; contratação de empresas sem estrutura física e de pessoal; contratação de empresas cujos proprietários são ou foram ligados à CBV; contratação de empresas do mesmo proprietário que executa e audita a prestação de serviço; pagamento de notas fiscais sequenciais que demonstram que a empresa comandada prestava serviço somente para a CBV; pagamento de notas fiscais com descrição genérica do objeto contratado, como ‘comissionamento' ou ‘assessoramento'".

O relatório também trata do caso da SMP, empresa de Marcos Pina, ex-dirigente da CBV ligado ao ex-presidente Ary Graça, que a CBV pagou, por "Prospecção de cotas de patrocínio, propriedades e títulos" aproximadamente R$ 3 milhões entre 2012 e 2013. Ainda de acordo com a ESPN, a CGU concluiu que "não há provas da prestação do serviço contratado pela CBV" e que "a empresa não possui infraestrutura física nem pessoal".

Os pagamentos feitos à SMP continuaram mesmo na nova gestão da CBV, comandada por Walter Pitombo Laranjeiras, Toroca. Ainda de acordo com o relatório citado pela ESPN, a empresa recebeu R$ 188 mil em 2014, a título de "assessoria de gestão administrativa esportiva".




cadastre-se e continue lendo
Este é o seu 5º acesso ao site do Correio Popular
neste mês. Para dar continuidade a suas leituras,
cadastre-se gratuitamente agora. É fácil e rápido,
basta clicar em "quero me cadastrar". Ou se preferir,
faça a sua assinatura e garanta seu acesso sem
restrições.

cadastre-se e continue lendo
cadastre-se e continue lendo
cadastre-se e continue lendo
Saiba mais.
Cadastre-se e continue tendo acesso ao melhor
e mais completo contéudo da RMC.
* NOME:
* SOBRENOME:
* E-MAIL:
TELEFONE:
CIDADE:
* SENHA:
* REPETIR SENHA:

* Campos obrigatórios


É importante que os dados a seguir sejam verdadeiros, pois antes de continuar a leitura
você deverá confirmar o cadastro através de um link que enviaremos no endereço de e-mail
preenchido. Sem essa confirmação você não conseguirá seguir a leitura. Caso tenha conta
no facebook basta clicar "cadastre-se com o facebook"

Quero receber notícias e comunicações do Correio Popular