Brunoro: Saída de Kardec foi divisor de águas


Para Brunoro, o atacante que se transferiu para o São Paulo não agiu de maneira correta com o clube


11/12/2014 - 10h49 - Atualizado em 11/12/2014 - 10h49 | Agência Estado
faleconosco@rac.com.br



Foto: Cedoc/RAC
O atacante Alan Kardec marcou um dos gols do jogo-treino desta terça-feira (15)
Alan Kardec trocou o Palmeiras pelo São Paulo na metade da temporada 2014
José Carlos Brunoro, diretor executivo do Palmeiras em 2013 e 2014, demitido na última segunda-feira (8), afirma que a principal razão das dificuldades no segundo semestre - o time só se livrou do rebaixamento na última rodada do Campeonato Brasileiro - foi a saída do atacante Alan Kardec para o São Paulo no mês de abril.

"A não renovação do Alan (Kardec) foi um divisor de águas. Deixou todo mundo chateado, inclusive o Paulo Nobre, que adorava o Alan. Eu tive conversas bastante adiantadas, mas nunca cheguei a fechar, porque respeitava o presidente", afirmou o dirigente em entrevista à Rádio Globo.

Para Brunoro, o atacante que se transferiu para o São Paulo não agiu de maneira correta. "Acho que o Alan não foi correto, e quero dizer isso para todo mundo. Ele e os empresários. A negociação não terminou, porque eles não voltaram com a resposta. Eles tinham alguma razão no sentido de demorar tanto a negociação, e para mim era muito difícil, porque sempre tive autonomia nos lugares em que trabalhei. Mas a diretoria achava que deveria ser assim, então foi assim, sem problema nenhum", afirmou.

Apesar da campanha vexatória - a equipe acumulou 20 derrotas, quase um turno inteiro do Brasileirão -, Brunoro considera que a gestão foi bem-sucedida. "Eu acho que foi missão cumprida. Mas, pessoalmente, acho que faltam algumas coisas. Se for falar do que o Palmeiras é hoje e do que era, a gente tem muita coisa para falar. O Palmeiras está pronto para ser perenemente competitivo. Poderia ter exigido algumas coisas, que preferi não exigir. São exigências como pessoas a mais trabalhando, que podiam ter vindo comigo, tanto no marketing quanto futebol. Algumas exigências de contratações que a gente não pode fazer, que eu acabei respeitando, porque o presidente estava fazendo um esforço financeiro muito grande, chegou a aportar dinheiro, a gente teve que respeitar isso", disse o dirigente.




cadastre-se e continue lendo
Este é o seu 5º acesso ao site do Correio Popular
neste mês. Para dar continuidade a suas leituras,
cadastre-se gratuitamente agora. É fácil e rápido,
basta clicar em "quero me cadastrar". Ou se preferir,
faça a sua assinatura e garanta seu acesso sem
restrições.

cadastre-se e continue lendo
cadastre-se e continue lendo
cadastre-se e continue lendo
Saiba mais.
Cadastre-se e continue tendo acesso ao melhor
e mais completo contéudo da RMC.
* NOME:
* SOBRENOME:
* E-MAIL:
TELEFONE:
CIDADE:
* SENHA:
* REPETIR SENHA:

* Campos obrigatórios


É importante que os dados a seguir sejam verdadeiros, pois antes de continuar a leitura
você deverá confirmar o cadastro através de um link que enviaremos no endereço de e-mail
preenchido. Sem essa confirmação você não conseguirá seguir a leitura. Caso tenha conta
no facebook basta clicar "cadastre-se com o facebook"

Quero receber notícias e comunicações do Correio Popular