Guarani vai à Americana atrás de regularidade


Bugre enfrenta, neste sábado, às 10h, o Rio Branco, no estádio Décio Vitta, pela 13ª rodada da competição


27/03/2015 - 22h55 - Atualizado em 27/03/2015 - 22h58 | Carlos Rodrigues
carlos.rodrigues@rac.com.br



Foto: Carlos Sousa Ramos/AAN
O meia Fumagalli acredita que a presença da torcida na arquibancada motivará mais o time em campo
Fumagalli está de volta após cumprir suspensão na última rodada: meia, que mora em Americana, conhece de perto a realidade do Rio Branco
O equilíbrio tem dado o tom da Série A2 do Campeonato Paulista. Candidatos ao acesso estão separados por poucos pontos e, por isso, assim como uma vitória permite a subida na tabela, um tropeço significa a perda de posições consideráveis.
 
O Guarani conviveu com esse sobe e desce nas últimas partidas e, para não ter o lugar no G4 novamente ameaçado, busca a estabilidade contra o atordoado Rio Branco, neste sábado (28), no Estádio Décio Vitta, em Americana, pela 13ª rodada da competição. O jogo acontece no atípico horário das 10h, com transmissão da Rede Vida.
 
Quarto colocado com 22 pontos, o Bugre estipulou antes do jogo contra o Atlético Sorocaba a meta de vencer três partidas seguidas. Cumpriu a primeira parte da missão e vai em busca de resultados positivos neste sábado e contra o Guaratinguetá no sábado (4) que vem para se consolidar de vez no grupo de acesso.
 
"Estando mais próximos dos dois primeiros, a tranquilidade aumenta. Essas duas vitórias vão proporcionar um pulo maior na tabela e é isso que vamos procurar", afirma o técnico Marcelo Veiga.
 
Com a disputa pelas quatro vagas cada vez mais ferrenha — a diferença do Guarani para o Mirassol, que ocupa o 10º lugar, é de apenas três pontos —, o comandante prega atenção para que o time possa manter-se firme. "Precisamos de uma boa atuação para dar consistência à equipe e uma confiança maior. Tomara que possamos nos apresentar bem e fazer um grande jogo para ganhar ainda mais fôlego nessa reta final", avisa. "O campeonato está embolado, então é necessário que pontuemos e tenhamos regularidade para não ficarmos para trás", completa o meia Fumagalli, que volta ao time após cumprir suspensão automática.
 
Um dos caminhos da vitória para os bugrinos é explorar o momento delicado do rival. O Rio Branco, assim como o alviverde, foi o principal destaque do início da Série A2 com três vitórias em três rodadas. Inesperadamente, no entanto, o rendimento do Tigre caiu por completo. A equipe já acumula seis derrotas consecutivas e, da briga pelo acesso, passou a lutar contra a queda — é o 15º, com apenas quatro pontos acima da zona de rebaixamento. De quebra, o relacionamento entre a diretoria e o parceiro que investe no clube não é dos melhores.
 
Fumagalli conhece de perto a realidade atual do adversário pois reside em Americana. E dá a receita para o Guarani aproveitar esse momento. "Temos que ser inteligentes", orienta o capitão. "Pela dificuldade que eles vivem, em certos momentos, pode bater o desespero, mas não devemos achar que será fácil. Precisamos estar concentrados e, acima de tudo, nos impor para explorar essa situação", completa.
 
TIME REFORÇADO
 
Depois de sofrer com a ausência de jogadores importantes nas últimas rodadas, o técnico Marcelo Veiga ganhou trégua e um pouco mais de tranquilidade para escalar o Guarani. E terá a oportunidade de, pela primeira vez na Série A2, mandar a campo um time que já atuou junto na temporada. Com as voltas de Fumagalli e Watson, que cumpriram suspensão, o treinador aguarda o volante Éder Silva, que está recuperado de lesão, treinou nesta sexta-feira (27), mas não foi confirmado. Se ele jogar, o Bugre será o mesmo que venceu o Independente por 2 a 0, naquela que foi, até o momento, a melhor atuação da equipe no campeonato.
 
O número reduzido de desfalques também anima. À exceção do lateral-direito Oziel, que está em fase final de recuperação de uma fratura no antebraço, e do volante Thiago Carpini, que levou o terceiro cartão amarelo, todos os outros jogadores estão à disposição e vão permitir que o treinador monte uma equipe bem próxima daquela que considera ideal, além de ganhar alternativas no banco.
 
Veiga comemora o aumento das opções e crê que ter o elenco mais encorpado é fundamental nessa reta final. "Quanto mais inteiro o time estiver, mais facilidade teremos para chegar onde a gente quer", avalia o treinador. "Faz uma diferença grande. Os times que tiverem a possibilidade de manter o elenco principal à disposição nesse momento vão levar uma certa vantagem", completa.
 
NA CONVERSA
 
O presidente Horley Senna se reuniu nesta sexta com as principais lideranças do elenco (Neneca, Cris, Cambará, Fumagalli e Nunes) para falar sobre os salários de fevereiro, que ainda não foram pagos. Segundo Fumagalli, o dirigente garantiu que já tem parte da quantia e acertará tudo até terça-feira (31).
 
RIO BRANCO
 
Em crise, o Rio Branco terá alterações no time para o duelo deste sábado. O técnico Carlos Octávio, que busca a primeira vitória pelo clube, não poderá contar com os meias Henrique Motta e Sampson, que cumprem suspensão e serão substituídos por Sandro Costa e Romário. Por outro lado, o polivalente Keitá está à disposição.
 
ARBITRAGEM
 
O árbitro de Rio Branco x Guarani é da região. Vinícius Furlan, de 36 anos, é de Santa Bárbara D'Oeste e atua como secretário de esportes do município, que é vizinho a Americana. Será a primeira partida da A2 apitada por ele. Na quarta-feira (25), ele comandou o clássico entre Palmeiras e São Paulo.