Guarani joga mal e perde de 2 a 0 para o Rio Branco


Na cidade de Americana, Bugre é dominado e batido pelo Tigre, que vinha de seis derrotas seguidas na Série A2


28/03/2015 - 12h40 - Atualizado em 28/03/2015 - 20h02 | Carlos Rodrigues
carlos.rodrigues@rac.com.br



Foto: Janaína Ribeiro/Especial para AAN
Isolado no ataque, o centroavante Nunes teve atuação discreta e não incomodou o goleiro Cléber Alves, do Rio Branco
Isolado no ataque, o centroavante Nunes teve atuação discreta e não incomodou o goleiro Cléber Alves, do Rio Branco
O Guarani queria estabilidade, mas mostrou neste sábado (28) que equilíbrio não é algo que combine com esse time. Em nova atuação muito ruim, repleta de erros imperdoáveis, o Bugre perdeu para o Rio Branco por 2 a 0, no Estádio Décio Vitta, em jogo válido pela 13ª rodada da Série A2 do Campeonato Paulista. De quebra, reabilitou um adversário que vinha de seis derrotas seguidas e parecia sem rumo. Com 22 pontos e sob pressão, o alviverde volta a campo no próximo sábado (4), diante do Guaratinguetá, em Campinas.

O Guarani falava em ter inteligência para poder explorar o desespero do adversário. E, no início, tentou colocar isso em prática buscando o ataque. A proposta durou dez minutos. A partir daí, começou o show de horrores bugrino. Nem parecia que são os donos da casa que brigam contra a queda e os visitantes pelo acesso. Bem arrumado, o Rio Branco dominou a partida e chegava como quisesse, principalmente pela esquerda, nas costas de Watson.

Totalmente disperso, o Guarani errava demais. Num desses vacilos, Cris perdeu a bola para Fernando, que só não abriu o placar porque chutou nas mãos de Neneca. De tanto falhar, em todos os setores, o alviverde foi merecidamente castigado aos 28'. Após cobrança de escanteio de Wendel, a defesa só assistiu João Gabriel subir no meio da área para fazer Tigre 1 a 0.

Depois de pedir pra tomar o gol, o Bugre tentou se ajeitar. Lógico, sem organização. Aos trancos e barrancos, começou a levantar bola na área rival. A única chegada foi aos 36', em cabeçada para fora de Nunes. Nos acréscimos, quando a vida do Guarani já estava complicada, ficou ainda pior. Fumagalli parou contra-ataque com falta, levou o segundo amarelo e deixou o time com um a menos.

O segundo tempo começou elétrico. Aos 3', Jobinho recebeu belo passe de Wendel e tocou na saída de Neneca, mas o zagueiro Guilherme evitou o gol em cima da linha. O Guarani respondeu no minuto seguinte em chute de Watson e aos 7', quando Malaquias disparou em diagonal, mas parou na defesa de Cléber Alves.

Depois da empolgação inicial dos dois times, o jogo ganhou um padrão bem definido. Desesperado, o Guarani tentava o empate a todo custo, enquanto o Rio Branco aproveitava a superioridade numérica para abrir o campo e explorar os contra-ataques. A estratégia dos donos da casa foi a que deu certo. Aos 23' Jobinho recebeu nas costas da defesa e teve toda a tranquilidade para dominar, tocar no canto esquerdo de Neneca e fazer 2 a 0.

O gol serviu para liquidar de vez a fatura. Depois de sofrer muito nas últimas rodadas, a torcida do Rio Branco lavou a alma, com direito à gritos de olé, mas ainda lamentou as oportunidades desperdiçadas pela equipe. Ao atordoado Guarani, restou se defender e torcer para o tempo passar e impedir uma derrota ainda pior.