Defesa leva o Red Bull da lanterna ao segundo lugar


Depois de ser humilhado pelo Audax, time fica cinco jogos sem sofrer gol no Campeonato Paulista


30/03/2015 - 23h01 - Atualizado em 30/03/2015 - 23h09 | Carlo Carcani
carlo@rac.com.br



Foto: Red Bull Brasil/Divulgação
O Red Bull foi o único time que não sofreu gol na Arena Corinthians
O Red Bull foi o único time que não sofreu gol na Arena Corinthians
O Red Bull fechou a 8ª rodada do Campeonato Paulista como último colocado do Grupo A, com apenas 8 pontos. Na época, a segunda colocação pertencia ao Mogi Mirim, que tinha 15, quase o dobro do time campineiro. A distância do Toro Loko para a zona de rebaixamento era de apenas dois pontos e a defesa, com 18 gols sofridos, era a pior da competição. Um terço do total foi sofrido em apenas 90 minutos, em uma desastrosa atuação da equipe diante do Audax, que ganhou no Moisés Lucarelli pelo incrível placar de 6 a 1.
 
Hoje o cenário é completamente diferente. Muita coisa mudou nas cinco rodadas seguintes, menos o número de vezes em que a defesa foi superada. O Red Bull segue com os mesmos 18 gols sofridos, mas deu um salto do 5º para o 2º lugar na chave, com 21 pontos, um a mais do que o Mogi. O rendimento da defesa, invicta há 462 minutos, foi determinante para essa recuperação, que pode levar o time às quartas de final do Paulistão e garantir uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro de 2015.
 
"A derrota para o Audax mostrou que precisávamos corrigir algumas coisas na nossa defesa. E os jogadores passaram a ter mais atenção nesse setor, se dedicando ainda mais aos treinos e elevando ainda mais o nível de concentrações nos jogos. Acho que isso uniu ainda mais o grupo", analisa Juninho, único goleiro do campeonato que se apresentou na Arena Corinthians e saiu de campo sem ser vazado.
 
O zagueiro Willian Magrão divide os elogios com os companheiros de outros setores. "A nossa defesa vive um bom momento, é verdade, mas isso não é responsabilidade apenas dos jogadores lá de trás. Nossos atacantes e meio-campistas estão nos ajudando muito na marcação. A bola já chega mais quebrada e nós temos mais oportunidades para recuperar essa bola", disse o ex-jogador de Ponte Preta e Cruzeiro.
 
Já Anderson Marques destaca uma alteração no sistema de jogo implantada pelo técnico Maurício Barbieri. “O posicionamento da equipe tem feito toda a diferença nesses últimos jogos. A nossa marcação começa lá na frente, com os nossos atacantes, e isso é mérito também do Maurício, que mudou um pouco o nosso jeito de jogar. Hoje nós somos uma equipe um pouco mais protegida, com os meias e atacantes recompondo mais e sendo mais agressivos na marcação", analisa Anderson Marques.