Amílcar

Ao lado de Neco, Amílcar foi um dos primeiro ídolos do Corinthians.

Foram 10 anos de amor ao clube. Foi capitão e líder durante o período em que defendeu o Timão.

Foi primeiro jogador corintiano a vestir a camisa da Seleção Brasileira, em 1916, no Campeonato Sul-Americano Extra, em terras argentinas.

Ronaldo

Ronaldo foi o goleiro mais característico do Brasil na década de 90. Ele estreou em 1988 e logo de cara defendeu um pênalti cobrado pelo são-paulino Darío Pereyra. Imediatamente se firmou no gol, se tornando o terceiro jogador com maior números de partida com a camisa do Corinthians: 602, dois a menos que o segundo colocado, Luizinho.

Apesar e longa, a passagem pelo Timão não foi tranquila: nervoso, o goleiro cansou de brigar com companheiros e, em várias ocasiões, prejudicou o time ao ser expulso de campo de forma boba.

Viola

Em 1988 Viola era apenas um garoto de 19 anos, vindo das categorias de base do Timão. E o Corinthians, nesse ano, disputava mais um final de Paulista, contra o Guarani de Campinas. Edmar, o titular, estava a serviço da Seleção Brasileira. Seu susbitituto imediato, Marcos Roberto, estava contundido

Coube então a Viola entrar em campo naquela final. E foi dele o gol salvador, aos 5 minutos da prorrogação, que deu o título ao Corinthians.

Foi emprestado ao Olimpia do interior, perdendo a chance de ser campeão brasileiro em 1990.

Mas voltou em 1992, para fazer mais história com a camisa do Corinthians.

Ronaldo Fenômeno

Sua estréia aconteceu em Itumbiara, contra o time de mesmo nomse, em jogo válido pela Copa do Brasil.

Mas foi no seu segundo jogo com a camisa do Timão, pelo Paulistão, que Ronaldo começou a escrever a sua história no Corinthians. O atacante fez o gol de empate contra o Palmeiras, aos 47 do 2º tempo e correu para o alambrando comemorar com a torcida. O alambrando não aguentou e veio abaixo.

No primeiro jogo da final do Paulistão, contra o Santos, na Vila, ronaldo fez dois gols. O segundo dele, uma pintura: corou o zagueiro, viu Fábio Costa adiantado e o encobriu, marcando um golaço histórico.

Na Copa do Brasil, voltou a ser decisivo, ao marcar o segundo gol do Corinthians no primeiro jogo da final contra o Internacional, garantindo a vitória do Timão por 2 x 0.

No ano do Centenário, Ronaldo teve a companhia de seu ex-parceiro da Seleção Brasileira e Real Madrid, Roberto Carlos. Porém, a parceria não deu muito certo e durou apenas 1 ano.

Ronaldo fez um dos gols contra o Flamengo, no jogo de volta das Oitvas da Libertadores, mas não foi o suficiente para a classificação corintiana.

Após a eliminação do time na Libertadores de 2010, Ronaldo começou a sofrer críticas pesadas quanto ao seu peso e empenho em campo.

Mas o fenômeno disse que ainda jogaria o ano de 2011, para disputar a Libertadores pelo Timão.

Porém, os planos de Ronaldo não deram muito certo. O time é eliminado na Pré-Libertadores, pelo desconhecido Tolima da Colômbia, no dia 02 de fevereiro de 2011.

Ninguém ainda sabia, mas aquele foi o último jogo de Ronaldo, não só com a camisa do Corinthians, mas de sua carreira.